Um refúgio MAIS SEGURO nas redes sociais

O uso da mídia social está passando por uma transformação. Como os consumidores exibem crescente cinismo em relação à falta de autenticidade em seus feeds, mais espaços pessoais para promover conexões estão substituindo “Likes” e “Followers”.

Numerosos estudos nos últimos anos destacaram os efeitos das mídias sociais sobre a saúde mental. Em uma pesquisa de 2017, de 1.500 gen Zers e millennials pela UK’s Royal Society for Public Health, o Instagram foi considerado a pior plataforma para o bem-estar dos usuários, com marcas particularmente baixas no que diz respeito à imagem corporal.

Muitos culpam a cultura de influenciadores oportunistas e implacáveis, onde postam fotos altamente selecionadas – absolutamente tudo, desde o local de um acidente de moto até uma proposta de casamento patrocinada pelas marcas – definindo expectativas inatingíveis ou irrealistas. Em julho de 2019, o Instagram começou a testar um recurso de “Hidden Likes – curtidas ocultas”, projetado para incentivar usuários a se concentrem menos no que as pessoas pensam de suas fotos e mais no conteúdo em si. Agora o recurso vem sendo implementado em sete países, a mudança visa aliviar parte da pressão de um feed que precisa parecer “perfeita” para que os usuários possam compartilhar, algo “Autêntico e confortável”, de acordo com um porta-voz do Facebook, empresa-mãe do Instagram. Há rumores de que o Facebook seja o próximo na fila para o recurso, enquanto no início de 2019, o Twitter também tentou esconder seus “Likes” por trás de um uma versão beta de uma atualização do aplicativo, para tornar-se mais fácil e “saudável” no acompanhamento de tweets.

Com “Likes” previstos para desaparecer em mais mercados, o Instagram também está trabalhando em um aplicativo de mensagens que facilitará o compartilhamento de conteúdo em um ambiente mais íntimo. Chamado Threads, o aplicativo deve ser usado em conexão com os amigos mais próximos de um usuário listado no Instagram e permitiria que eles compartilhassem atualizações de status, sua localização e duração da bateria, além de fotos e textos. Observaram também que esse movimento ajuda o Instagram a criar uma experiência de usuário mais pessoal e privada semelhante ao Snapchat, cujos usuários aumentaram 8% no segundo trimestre de 2019 comparado com o mesmo período do ano anterior.

A tendência para mais compartilhamentos privados está aparecendo em outras plataformas de mídia social. O WeChat na China está atualmente vendo uma mudança descendente no compartilhamento de usuários em atualizações pessoais de feeds de notícias públicos, principalmente entre adolescentes, com 10% dos usuários optando por um novo recurso que limita o número de dias em que suas postagens públicas podem ser visualizados e outros migrando completamente  para diferentes plataformas.

À medida que as principais plataformas ajustam seus recursos para criar refúgios mais seguros para seus usuários, outros sites de mídia social, como o Tumblr, fazem exatamente isso o tempo todo. A CNET chama o Tumblr de “um refúgio raro em meio a toda a feiúra da internet”, respondendo pela reputação de promover a expressão artística aberta, de micro e marginalizadas comunidades (o Tumblr poderá voltar em breve, graças a sua nova gestão).

Enquanto isso, Snapchat e TikTok ganharam crédito entre os gen Zers permitindo que os usuários sejam menos “performativos” e mais autênticos nas mídias sociais.

No relatório da JWT o “Into Z Future” da Intelligence, muitos dos jovens usuários do Snapchat estavam entusiasmados por poder compartilhar abertamente os detalhes mais íntimos de sua vida em uma plataforma com menos julgamento ou pressão em comparação com outras plataformas.
Em um post de março de 2019, o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, declarou que a privacidade “dá a liberdade às pessoas serem elas mesmas e se conectar mais naturalmente”, observando que as pessoas cada vez mais buscam “o equivalente digital da sala de estar” em oposição a uma
“massa de pessoas”. Depois de anos focando na quantidade quando se trata de amigos e engajamento on-line, Zuckerberg e outros nomes das mídias sociais estão reconhecendo que as pessoas querem conexões mais significativas que uma quantidade exagerada de contatos.

Fonte: JWT

.